Ei menina, mulher, senhora... Como se sente?

em 27 de maio de 2016

A gente vai conversar hoje, a princípio, com os olhos marejados. Você já deve ter visto algo parecido em algum lugar, mas não pude deixar de falar, afinal o momento em que vivemos não cabe mais o silêncio, já estamos cansadas.

1...2...3...4...5...6...7...8...9...10
11...12...13...14...15...16...17...18...19...20
21...22...23...24...25...26...27...28...29...30

Essa flor nunca mais será a mesma... Essa e tantas outras.

“Ei, estamos com vocês, lutando com vocês e por vocês que infelizmente sofreram esta dor. ”

Quantos assobios, olhares maliciosos já recebemos ao andar na rua? A gente nunca sabe se o caminho que vamos percorrer até nosso compromisso naquele dia será tranquilo.

De saia ou calça, decote ou jaqueta. Não é a roupa, ninguém pede para ser estuprada porque usa uma saia mais curta, sai a noite de casa, tem um filho na adolescência.

É na rua, nos transportes públicos, dentro do trabalho ou dentro da própria casa.

Que absurdo.

É sim uma atitude machista, mas não generalize, nem todo homem é covarde e carrega tamanha maldade, muitos deles são pais, avôs, irmãos, primos, tios, amigos e estão revoltados com tamanho absurdo.

É preciso lutar contra a cultura do estupro, contra esse machismo invasivo e sem pudor. É preciso fazer algo para melhorar o futuro do país, dos seus filhos que virão, da nova geração. Não vamos deixar os escombros para eles limparem, vamos começar a fazer o trabalho sujo, somos milhões e não podemos ficar calados.

Se o direito é igual para todos, então que não sejamos recriminadas por que optamos por uma roupa mais ousada naquele dia, que não sejamos assediadas ao caminhar na rua seja dia, tarde ou noite. Que não nos prendam no medo que eles nos causam, sejamos livres para fazermos a escolha que nos deixará confortável naquele momento.

O desrespeito a mulher não é atual, ele perdura a anos na sociedade, por explicações e razões que sequer devem ser levadas em consideração de tão insignificantes que são. Mas veja também tamanha ignorância, afinal quem lhes deu a vida, foi uma mulher.


Sejamos então livres para tomarmos nossa própria decisão e fortes para enfrentarmos estas batalhas, juntas. 
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

2 comentários :

  1. Esse foi um fato extremamente triste!
    Ficou ótimo seu texto...

    www.chaeamor.com

    ResponderExcluir



Categorias

Topo